Quinta-feira, 8 de Julho de 2010
Versos sem dor
Como podem em meus versos ver dor,
Aqueles que minhas palavras leiem?
Faz tempo, que nao sou um sofredor,
Mas o homem feliz, que todos veêm.

E se hoje em mim mora a felicidade,
É porque tu me fazes viver assim.
Sinto que já nem importa a idade,
Apenas que estejas perto de mim.

Se alguém nos meus versos encontrar,
Um desabafo de dor, ou desencanto,
Não é porque a mim, me falta amor,

Quando muito, serão rimas de fingidor,
Relato de alguma história de pranto,
Vivida por alguém que nao sabe amar.


publicado por escrevernareia às 13:12
link do post | comentar | ver comentários (10) | favorito
|

Terça-feira, 15 de Junho de 2010
União dos sentidos
A tua dor é a minha dor,
O teu mau estar também é meu.
Não é solidariedade, é amor,
Ser feliz, por um bem que é teu.

Amar é trocar de lugar.
Pensar, no outro todo o tempo.
Sentir, mesmo sem estar,
Como estando, a todo o momento.


publicado por escrevernareia às 12:32
link do post | comentar | ver comentários (12) | favorito
|

Sexta-feira, 29 de Janeiro de 2010
As minhas SMS

[Error: Irreparable invalid markup ('<spanstyle="font-family:verdana;">') in entry. Owner must fix manually. Raw contents below.]

<p align="left"line-weigh="50px"><spanstyle="font-family:verdana;"><font-weigh="14px">Amor, por ti eu esperaria,<br />até toda uma eternidade.<br />Minha vida sem ti seria,<br />viver numa enfermidade.


publicado por escrevernareia às 09:20
link do post | comentar | favorito
|

Terça-feira, 22 de Dezembro de 2009
Frases soltas

[Error: Irreparable invalid markup ('<spanstyle="font-family:verdana;">') in entry. Owner must fix manually. Raw contents below.]

<p align="left"line-weigh="50px"><spanstyle="font-family:verdana;"><font-weigh="14px">Hoje senti que tinha de escrever<br />Não foi o cérebro que pediu<br />Nem a vontade de encher papel.<br />Os dedos só têm que obedecer<br />A uma ordem que de mim saiu.<br />Como um turbilhão de ideias<br />Amontoado de sentimentos<br />As palavras foram jorrando<br />Como se do fogo do coração<br />Saíssem em chamas pelos dedos.<br />Frases foram aparecendo<br />E eu sem ler, só escrevendo<br />Não podia… nem queria prende-las<br />Queimar-me-iam por dentro<br />Tal qual um fogo intenso<br />Devastando sem remorso<br />Todas as esperanças e medos<br />Desejos e sonhos também<br />Até nada mais ter para arder<br />Até já não ser ninguém.<br />Donde vem esta vontade?<br />Estas frases donde saem?<br />Momentos de insanidade?<br />Instantes de loucura?<br />Gritos surdos, sentidos<br />Vozes do além cá de dentro<br />Da felicidade que se procura<br />Em tantos momentos vividos<br />Dos beijos que nos são queridos<br />Da saudade que não tem cura<br />Do prazer que ás vezes sentimos<br />Da indiferença que ás vezes dura<br />Do recalcar do que amamos<br />Por não poder amar tudo<br />Daquilo que para trás deixamos<br />Do desejo que calamos<br />Do grito de dor que fica mudo<br />Na garganta que pensámos cortar<br />Quando sem saber onde estávamos<br />Sem sequer saber quem éramos<br />Quisemos por fim a tudo<br />Sem sequer nos lembrarmos<br />Que em cada momento que temos<br />Há sempre mais alguém ali<br />Mesmo longe,… desconhecido<br />Sem uma mão para estender<br />mas ao sentir um coração ferido<br />abre os olhos para ver<br />e se a mão não surge, algo aparece<br />lábios que calam, ouvidos que ouvem<br />um coração, que se desconhece<br />… que pelo grito padece,<br />e um amigo aparece


publicado por escrevernareia às 08:31
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
|

Quinta-feira, 8 de Janeiro de 2009
Não

[Error: Irreparable invalid markup ('<spanstyle="font-family:verdana;">') in entry. Owner must fix manually. Raw contents below.]

<p align="left"line-weigh="50px"><spanstyle="font-family:verdana;"><font-weigh="14px">Quis escrever-te um poema,<br />Cantar-te sons de amor.<br />Nas letras, como espadas ...<br />Mostrar-te a minha dôr.<br /><br />Quis continuar a sonhar-te<br />Fonte viva e intensa de prazer ...<br />Mas dói-me ...<br />Olhar-te entre os outros ... <br />Ver-te a partir sem voltar:<br />Como cigarro que queima,<br />Nos dedos do escritor a criar.


publicado por escrevernareia às 16:30
link do post | comentar | favorito
|

Quarta-feira, 10 de Dezembro de 2008
Confissão
O meu coração bate
Bate com tanta força
Que quase rebenta o peito
Soltando esta ansiedade

Soltando esta ansiedade
Esta vontade de te ver
Esta loucura de te amar
De até por ti morrer

Até por ti morrer
Por amor eu o faria
Melhor mesmo é morrer
Que viver sem ti um dia


publicado por escrevernareia às 07:50
link do post | comentar | favorito
|

Terça-feira, 2 de Dezembro de 2008
Este nosso mar de sonhos

[Error: Irreparable invalid markup ('<spanstyle="font-family:verdana;">') in entry. Owner must fix manually. Raw contents below.]

<p align="left"line-weigh="50px"><spanstyle="font-family:verdana;"><font-weigh="14px">Quero ter-te a meu lado<br />Quando chegar a praia mar<br />Olhar-mos juntos as ondas<br />Uma após outra a chegar<br />Cada uma da outra diferente<br />Em altura força e beleza<br />Como eu e tu e toda a gente<br />A quem não importa a riqueza<br />Apenas sim o que cada um sente<br />Quando olha as ondas deste mar<br />Quando sente o coração bater<br />E em redor tudo parece parar<br />Quando tudo nos parece acontecer<br />Como aquelas ondas formadas ali<br />Pelo vento que sopra forte<br />Que no rosto roça: a mim, a ti<br />Vento que dá a vida e traz a morte<br />Quando as ondas são de dor<br />Mais forte devemos amar<br />Seja lá onde e quando for<br />Sempre juntos vamos estar<br />Sempre vivendo o nosso amor


publicado por escrevernareia às 11:30
link do post | comentar | favorito
|

Quinta-feira, 16 de Outubro de 2008
Saudade de ti...
A dor que faz esta Saudade,
Que persiste e tão forte,
Que volta sempre que penso,
Que por fim, teve a sua morte.
Saudade das vezes que te não vi,
Saudade dos versos, que te não escrevi
Saudade de ti, que não conheci.
Saudade do que não fizemos juntos,
Saudade dos sonhos, que não me pertencem,
Das vezes que te imagino e te sinto .
Saudade dos olhos teus e dos olhares,
Do silêncio, das palavras, que nunca te disse.
Dos continentes de desejo e mares
Que jorram desse teu corpo, na minha loucura.
Saudade de ti, que me não conheces,
e nunca amaste.
Saudade da dor no peito,
… que perdura.



publicado por escrevernareia às 21:56
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Janeiro 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
12
13
14

15
16
17
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


posts recentes

Versos sem dor

União dos sentidos

As minhas SMS

Frases soltas

Não

Confissão

Este nosso mar de sonhos

Saudade de ti...

arquivos

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

tags

todas as tags

ILCAO
Iniciativa Legislativa de Cidadãos contra o Acordo Ortográfico. Leia, assine e divulgue!
Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds
Creative Commons
Licença Creative Commons
Escrever n'Areia de To Quim Rodrigues é licenciado sob uma Licença Creative Commons Atribuição 3.0 Unported.